Pérola, a rainha das gemas

Deixe um comentário

Pérola, a rainha das gemas

Repletas de mistério e romance, as pérolas são usadas como adorno há milhares de anos. Na tradição japonesa acredita-se em seu poder medicinal, como antídoto de para venenos. Na Pérsia antiga, as pérolas intactas eram símbolo de virgindade e pureza feminina. Na Grécia eram sinônimo de amor e os orientais as consideravam afrodisíacas. Na Europa dos XIX eram as favoritas da realeza. Até os dias atuais, as pérolas conservam a aura de sofisticação e são peças indispensáveis na porta-joias de toda mulher elegante.

Cores e Formação

Muitos pensam que as pérolas são apenas brancas. No entanto, elas podem ocorrer em várias tonalidades. As cores básicas incluem, além do branco, o rosa claro, o branco amarelado e o bege. As pérolas cultivadas de cor preta, cinza, azul, roxa e marrom são denominadas negras, e são conhecidas como taitianas. Das pérolas cultivadas negras, a preta é a mais rara. Existem pérolas de água doce e de água salgada, podem ser naturais (feitas pela natureza) ou feitas cultivadas (induzidas pelo homem), que são quase a totalidade das pérolas vendidas atualmente. As naturais, assim como as cultivadas, se formam em vários tipos de molusco de mares, rios e lagos.

A formação de uma pérola natural pode ser provocada por um grão de areia, uma bactéria ou qualquer corpo estranho que entre na concha, irritando o molusco, o qual segrega uma substância chamada nácar. O agente invasor é imobilizado pelo molusco, que o engloba em seu manto, formando um saco perlífero, cuja parte interna é constituída de células produtoras de nácar, que revestirão o invasor com camadas concêntricas, transformando-o em uma pérola.

As pérolas cultivadas e as pérolas naturais são idênticas em aparência. Entretanto, as primeiras são formadas por interferência do homem. O cultivador abre a concha, faz uma incisão no epitélio do molusco e insere um pedaço pequeno de epitélio de outro molusco, em conjunto com uma esfera de madrepérola. Depois a concha é colocada numa gaiola submersa, para produzir a pérola.

O processo de nucleamento para o cultivo de uma pérola é muito delicado: de três moluscos nucleados, dois sobrevivem ao processo. Destes, somente ¼ produz pérolas cultivadas e apenas uma pérola, a cada quatro, é boa o suficiente para exportação.

A dimensão do núcleo inserido (se houver), a temperatura da água e o tempo de cultivo são fatores que influenciam o tamanho e a qualidade da pérola. O período médio de cultivo é de um a dois anos e, para se obter melhor qualidade, são necessários três anos e meio.

O cultivo de pérolas não foi desenvolvido da noite para o dia. No século XIII, os chineses já cultivavam pérolas. A indústria moderna de pérola cultivadano Japão, por volta de 1890, com Kokichi Mikimoto (1858-1954), que iniciou a produção de pérolas semiesféricas ou blisters. Em 1913, Mikimoto iniciou a venda de pérolas cultivadas esféricas, mas somente em 1921 a produção chegou ao mercado mundial em quantidades razoáveis. Devido ao quase colapso do comércio de pérolas naturais, o negócio de cultivo floresceu. Depois dos Diamantes, as pérolas cultivadas são as gemas mais importantes do setor joalheiros.

Tipos de Pérolas

A Akoya é a melhor qualidade de pérola cultivada, produzida originalmente no Japão e raramente excede 10 mm de diâmetro. Atualmente, a China também é um grande produtor. As Pérolas Dos Mares do Sul ou South Sea são tipicamente maiores que as japonesas. Sua média é de diâmetros entre 13 e 15 mm, sendo considerada de tamanho muito grande quando atinge 20 mm. São encontradas nas cores branca, dourada, marrom ou preta e cultivadas desde a a Birmânia até Madagascar, atravessando a Indonésia, Japão e entrando na Polinésia Francesa. Já as Pérolas do Taiti receberam esse nome devido ao local ser o principal produtor mundial de pérolas negras cultivadas. As Ihas Cook estão em segundo lugar na produção deste tipo, seguidas por outras ilhas da Polinésia Francesa. Tecnicamente, a pérola negra cultivada é uma pérola dos Mares do Sul. Normalmente, são encontradas de tamanhos acima de 8 mm, com média entre 10 e 12 mm e muito raramente excedem 17 mm. São consideradas pérolas negras as cores cinza escuro, verde-escuro, marrom escuro e a preta.

A Pérola de Concha ou Rósea é natural e produzida pelo molusco conhecido como concha gigante. Por não ser constituída de nácar, alguns não a consideram uma pérola verdadeira. Sua superfície se semelha à porcelana, com peculiar aparência, lustro sedoso e marcas flamejantes. São encontradas nas cores branca, marrom e rosa. Diferentemente da anterior, a Pérola de Abalone é constituída de camadas de nácar. É vividamente colorida e altamente iridescente. Grande parte deste tipo de pérola que se encontra no mercado é natural. Entretanto, há uma produção de pérolas cultivadas compostas e blister. Existem 96 espécies conhecidas de abalone, com ampla variação de cor de concha, tamanho e velocidade de crescimento. São encontradas na costa do Pacifico dos Estados Unidos, no Japão, nova Zelândia e Coreia.

Coprodutor do cultivo de pérolas de água salgada, a Pérola Keshi é formada espontaneamente, sem núcleo e com forma barroca, no molusco de água salgada que foi nucleado para produzir pérola cultivada.

A Pérola Semente, pequenina pérola natural com até 2 mm, pode ser produzida por moluscos de água salgada e de água doce. Raramente é vista na joalheria moderna, mas frequentemente em joias antigas.

Algumas pérolas podem ser denominadas por sua forma ou tipo de núcleo, como a pérola cultivada ¾ e meia-pérola, Barroca, Biwa, Pérola Arroz, Mabe ou pérola cultivada composta, Circlê e Facetada.

A Classificação das Pérolas

As pérolas são avaliadas quanto ao tamanho, formato, cor e brilho. Qualquer imperfeição na superfície é levada em consideração na classificação. Imperfeições poderão ser escondidas ao serem furadas, facetadas ou polidas. Para melhoria da cor, pérolas podem ser branqueamento, tintura ou irradiação. O brilho pode ser melhorado com tratamento da superfície e/ou polimento. Já a forma da pérola ´pode variar muito: das perfeitamente esféricas às barrocas, sendo as primeiras as mas valiosas. Quanto maior a pérola, mais difícil é o seu cultivo e mais precisa ela se torna.

Cuidados com as Pérolas

Como são muito delicadas, as pérolas merecem cuidados especiais. A oleosidade da pele ou de cosméticos tende a entrar entre a camada de nácar e o núcleo. Nunca passe perfume, laquê ou creme sobre pérolas. Quando usar algum destes produtos, espera alguns minutos antes de vestir a joia. Se tiverem contato com o suor, antes de serem guardadas devem ser limpas apenas com uma flanela macia e ligeiramente umedecida, nunca use jato de vapor ou aparelho ultrassom para limpeza. Pérolas não devem ser usadas em piscina, praias ou banho. Guarde-as separadamente de outras joias para evitar riscos. Colares montados em fios de seda, se usados com frequência devem ser reenfiados anualmente.