A Beleza da pedra Azul

Deixe um comentário

A Beleza da pedra Azul

O Azul é considerado uma das cores mais positivas que existe. Não é por acaso que a tonalidade indica que está tudo às mil maravilhas, “tudo azul”. É a cor do Blues americano, uma tonalidade que sempre está na moda. Na joalheria está sempre presente nas coleções que apresentam gemas coloridas.
Conheça algumas gemas com tons azul.

Água Marinha Pertence ao grupo do berilo. Seus tons de azul são azul-marinho, azul-claro e azul-esverdeado. Pode ser transparente ou opaca. Quando transparente, tende a ser mais transparente do que a Esmeralda. Seu pleocroísmo é definido, quase incolor, azul-claro, azul-celeste. O Brasil é o principal produtor 

mundial, seguido de Madagascar. Gemas aquecidas a 400°C atingem a tonalidade azul-marinho.

Apatita
Birmânia, Brasil, Sri Lanka, República Tcheca, Eslováquia, Índia, Madagascar, México e Estado Unidos produzem essa gema rara, mas só a Birmânia e o Brasil possuem a variedade olho-de-gato. O pleocroísmo da Apatita azul é muito forte, azul, incolor. É transparente, com brilho vítreo e sensível a ácidos.

Azurita
Possui um tom azul-escuro. Seu brilho é vítreo. É uma gema com dureza muito baixa, 3 ½ a 4 Mohs. É geralmente lapidada em cabochão (Cabochon) ou facetadas. Pode se unir, naturalmente, à Malaquita, que é uma gema verde, formando um híbrido muito bonito chamado de “azur-malaquita”.

Benitoíta
O único local conhecido onde podemos encontrar essa gema é nos Estados Unidos, na Califórnia, em San Benito County. Ela é rara e somente são encontrados cristais pequenos. Pode ser azul-celeste ou azul-escuro. É transparente ou translúcida e possui pleocroísmo muito forte, incolor, verde e azul. Sua fluorescência é forte, azul.

Calcedônia
A Calcedônia azulada também é conhecida como Calcedônia verdadeira. Brasil, Índia, Madagascar e Uruguai são os principais locais onde ela é produzida. Por ser porosa, pode ser tingida.

Dumortierita
Gema rara, encontrada no Brasil, Sri Lanka, Canadá, Madagascar, Namíbia, Estados Unidos, França e Polônia. Ela pode se associar ao quartzo, criando um quartzo dumortierita. Possui tom azul-escuro e violeta azulado. Sua clivagem é perfeita, e seu pleocroísmo é forte, negro, vermelho, castanho alaranjado.

Hemimorfita
Gema de colecionador, encontrada na Argélia, Itália, México e Namíbia. Comumente, possui bandas azuis e brancas, ou mistura-se com uma matriz escura. Pode ser confundida com a Smithsonita ou com a Turquesa. Elá é transparante ou opaca, e sua clivagem é perfeita.

Lápis-lazúli
Possui um tom azul diáfano. O fato de ser composta de vários minerais faz com que alguns a considerem, tecnicamente, uma rocha, e não uma gema. É sensível a pressões e temperaturas elevadas, banhos quentes, ácidos e sabões. Opaca, tem brilho é vítreo e graxo. Sua fluorescência é definida, branca. Afeganistão, Rússia e Chile se destacam na produção de lápis-lazúli.

Iolita
Também conhecida como cordierita, esta gema possui vários tons de azul. Birmânia, Brasil, Sri Lanka, Índia e Madagascar são suas principais fontes. Possui um pleocroísmo muito forte, amarelo, azul violeta, azul pálido. Por essa razão, a lapidação tem qie ser feita com extrema cautela.

Lazulita
Gema de colecionador, rara. Existem jazidas no Brasil, Índia, Madagascar, Estados Unidos, Áustria e Suécia. Pode ser azul escura ou branca azulada. É transparente ou opaca e tem um brilho vítreo. Cristais são ainda mais raros.

Safira
O tom mais apreciado é azul puro, semelhante às flores da centáurea. O ferro e o titânio são as suas substâncias responsáveis pela coloração azul. Ela é transparente ou opaca. O pleocroísmo é definido, azul-escuro, azul-esverdeado. Não possui fluorescência no tom azul. Austrália, Birmânia, Sri Lanka e Tailândia possuem as reservas mundiais mais importantes. Faz parte do grupo do coríndon.

Smithsonita
Costuma apresentar bandas brancas discretas e um brilho oriente. Grécia, Itália, México, Espanha, Namíbia e Estados Unidos são locais onde é possível encontrar essa gema rara. Sua tonalidade é azul clara. É transparante ou opaca, não possuindo nem pleocroísmo, nem espectro de absorção nem fluorescência

Opala
Na República Tcheca, Eslováquia Austrália, Brasil, Guatemala, Honduras e Estados Unidos podemos encontrar Opala Nobre, integrante do grupo do quartzo. A opala nobre pode ter a tonalidade azul escura. Possui um jogo de cores interessante, que costuma ser melhor destacada na lapidação cabochão.

Quartzo Azul
O Quartzo Azul pertence ao grupo de quartzo, e pode ser achado na Escandinávia, Áustria, África do Sul e Brasil. Trata-se de um agregado de quartzo de granulação grossa, que é comumente utilizado como pedra decorativa. Sua cor azul turva é causada por inclusões de crocidolita ou agulhas de rutilo.

Tanzanita
Faz parte da família da zoisita. A Tanzanita é o grande produtor dessa gema, que tecnicamente, é uma zoisita azul. Seus tons vão de ultramarino até a azul safira. Tanzanitas como o efeito olho de gato podem ser encontradas. Seu pleocroísmo é muito forte, azul violeta, pardo. Existem imitações com vidros duplos e a parte em Tanzanita, e espinélios sintéticos colocados com um cimento que imita a cor de Tanzanita.

Topázio Azul
Os principais produtores são Brasil, Sri Lanka, Birmânia e Rússia. Gemas coloridas são lapidadas em tesoura ou esmeralda (em degraus). O pleocroísmo do Topázio Azul é fraco, azul-claro, róseo, incolor. Ele é transparente e sua clivagem é perfeita. Topázios Amarelos ao serem aquecidos, podem se tornar azuis.

Topázio London Blue
Topázio azul-escuro, variando de um azul médio ao escuro profundo. É a tonalidade mais escura de topázio. Frequentemente, topázios de tons claros (incluindo azuis).

Turmalina
A Turmalina Azul, também chamada de indigolita ou indicolita, possui todos os tons de azul. O pleocroísmo da Turmalina azul é forte, azul-escuro e azul-claro. Por essa razão, pedras mais escuras têm que ser lapidadas para que a mesa fique paralela ao eixo principal. Ela é transparante ou opaca. Sri Lanka, Madagascar e o Brasil se destacam na produção de Turmalinas. Não existe clivagem na Turmalina.

Turmalina Paraíba
Turmalina extremamente rara, encontrada principalmente na mina de São José da Batalha, no estado da Paraíba, no nordeste brasileiro. Possui uma tonalidade azul brilhante ou azul-turquesa brilhante. O efeito do seu brilho intenso pode lembrar um néon. Sua cor diferenciada é provavelmente devida a uma dose extra de cobre. O estado do Rio Grande do Norte também possui uma mina com turmalina com qualidade semelhante às paraibanas.

Turquesa Natural
A Turquesa possui os tons azul-celeste e azul-esverdeado. Ela é opaca, podendo possuir brilho ceroso ou vítreo. Calor, suor, cosméticos e perda da umidade são fatores que podem implicar uma perda de sua cor original. Por causa de sua porosidade, corantes de anilha e sais de cobre são usados para melhorar sua cor. Os maiores produtores são Irã, Afeganistão, Austrália, China(Tibet), Israel, Tanzanita e Estados Unidos.

Turquesa Reconstituída
A Turquesa reconstituída nada mais é que o pó de Turquesa, misturado a uma massa unificadora, vidro, porcelana e plástico, que dão forma a ela. É muito semelhante e em mais acessível do que a Turquesa natural. Por essa razão, costuma ser bastante utilizada em joias com design volumoso.